O que é a Páscoa e por que a celebramos?

Qual é o significado original da Páscoa?
A Páscoa é um feriado religioso cristão observado em todo o mundo para celebrar a ressurreição de Jesus Cristo, o líder espiritual do cristianismo – e para os cristãos, o Filho de Deus. Mas com alguns aspectos do feriado enraizados nas tradições pagãs e judaicas, a origem da Páscoa remonta a séculos antes do nascimento de Cristo. Nos dias de hoje, muitas pessoas celebram a Páscoa, independentemente de sua religião.

Qual é a história da Páscoa?
A história da Páscoa é a história do início de uma das maiores religiões do mundo. De acordo com a Bíblia, os romanos crucificaram Jesus, um popular pregador judeu e líder religioso que muitos acreditavam ser o filho de Deus. Três dias depois de ser sepultado, ele ressuscitou da sepultura, vencendo a morte e, por meio de seu sacrifício, oferecendo salvação a toda a humanidade. Então, o que é a Páscoa? Em suma, é um feriado comemorando esse milagre.

Quando é a Páscoa este ano?
A Páscoa cai no domingo, 17 de abril de 2022. Enquanto muitos outros feriados têm datas fixas (o Natal, por exemplo, é sempre em 25 de dezembro), a data da Páscoa muda de ano para ano. Determinar a data é um pouco como elaborar um enigma da Páscoa: o que acontece no primeiro domingo após a lua cheia que ocorre no equinócio da primavera ou logo após? Sim, é Páscoa.

Com base nos ciclos da lua, o feriado pode ocorrer em qualquer dia de 22 de março a 25 de abril. Pode ficar confuso, então aqui está uma folha de dicas das datas da Páscoa para os próximos cinco anos:

domingo, 9 de abril de 2023
domingo, 31 de março de 2024
domingo, 20 de abril de 2025
domingo, 5 de abril de 2026
domingo, 28 de março de 2027
História da Páscoa
A celebração cristã da ressurreição de Jesus pode ser a tradição pascal mais familiar, mas certamente não é a mais antiga. O feriado também tem raízes no paganismo e no judaísmo.

Tradições pagãs da Páscoa
Há evidências históricas de celebrações de primavera milenares centradas em torno do equinócio – versões iniciais dos festivais do Primeiro de Maio. Por ocorrerem no início da estação de plantio, muitos desses primeiros feriados pagãos usavam símbolos de fertilidade, crescimento, nascimento, fortuna e luz conquistando a escuridão. Muitas tradições seculares da Páscoa são transmitidas a partir desses rituais antigos, incluindo cestas de Páscoa, coroas de flores e caça aos ovos.

Até o nome do feriado tem uma conexão pagã. Os historiadores acreditam que a Páscoa recebeu o nome de uma das figuras mais populares nessas celebrações: a deusa anglo-saxônica Eostre.

Tradições cristãs da Páscoa
Quando os primeiros cristãos estavam criando seu calendário de dias santos, fazia sentido combinar a celebração da ressurreição de Jesus com o tradicional festival da primavera. Então, em vez de se concentrar na Eostre pagã, a história religiosa do feriado é toda sobre Jesus Cristo.

O popular pregador judeu tornou-se alvo das autoridades judaicas depois de afirmar ser o tão esperado Messias e Filho de Deus. Os romanos também o viam como um possível problema político. Jesus foi julgado e condenado por blasfêmia pelas autoridades judaicas e sentenciado à execução. O governador romano ordenou sua morte em um estilo romano brutal chamado crucificação; Jesus foi coroado de espinhos e pregado numa cruz até morrer. Depois, seu corpo foi vestido e sepultado em um túmulo de pedra. Três dias depois, ele ressuscitou milagrosamente e voltou para visitar seus discípulos.

A Páscoa serve como base para muitas celebrações sagradas que a antecedem, começando com a Quarta-feira de Cinzas (o primeiro dia da Quaresma), a Quaresma (a observância de desistir de algo que você ama por 40 dias em homenagem ao jejum de 40 dias de Jesus no deserto ), Domingo de Ramos (o dia em que Jesus entrou em Jerusalém e foi celebrado como o Messias) e Sexta-feira Santa (o dia em que Jesus foi crucificado).

Tradições como assar pães crus quentes e encher ovos vazios simbolizam a morte de Cristo na cruz e a ressurreição da tumba. Outras tradições baseadas na história cristã incluem ouvir apresentações do Messias de Handel e assistir a filmes de Páscoa, incluindo A Paixão de Cristo.

Tradições judaicas da Páscoa
Outras tradições religiosas da Páscoa vêm da celebração judaica concomitante da Páscoa, uma comemoração da fuga dos judeus da escravidão no Egito. O feriado judaico fornece a base para as festas da Páscoa e muitos alimentos tradicionais da Páscoa, incluindo o cordeiro.

Por que celebramos a Páscoa com ovos e coelhinhos?

Marcar um feriado tão solene com um mascote como o coelhinho da Páscoa pode não parecer a escolha mais lógica. Mas começa a fazer sentido quando você lembra que Eostre é a deusa da fertilidade, e os coelhos acasalam como, bem, coelhos. Os coelhinhos estão por toda parte na primavera, um sinal de fertilidade e, tradicionalmente falando, de boa sorte.

O coelhinho que traz cestas de Páscoa de guloseimas para adolescentes, pré-adolescentes e pequenos é uma invenção relativamente moderna. A origem do Coelhinho da Páscoa remonta aos anos 1900, quando apareceu em desenhos publicitários.

Seu saque – sejam ovos tingidos de cor doce ou aqueles feitos de chocolate doce – é um aceno para as tradições pagãs e cristãs. Os ovos representam uma nova vida, simbolizando não apenas a fertilidade de Eostre, mas também o renascimento de Cristo após a morte.

Como o feriado também é uma celebração da estação, alinhando-se intimamente com o equinócio da primavera, os símbolos da primavera são incorporados às festividades. Afinal, o que é a Páscoa sem pintinhos, grama verde e flores desabrochando?

Deixe um comentário